NA PELE – AS MARCAS DA NEGLIGÊNCIA

documentário . 120 min. 12 anos

“NA PELE – AS MARCAS DA NEGLIGÊNCIA” é um documentário que cruza com olhar investigativo e sensível a trajetória de pessoas, que vivem na pele os dramas dos atingidos pela lepra, hoje chamada de hanseníase, a doença mais antiga do mundo, que apesar de ter cura continua assolando milhões de pessoas. 

Mas, afinal por que a hanseníase não está erradicada no mundo, ou “sobre controle”? Qual lugar pertencem estas pessoas na humanidade? Como que elas têm enfrentado os problemas? Um filme que ultrapassa as fronteiras do tema, que investiga a fundo as causas da doença, além da clínica.

 

Um filme inclusivo, narrado por personagens verdadeiras, tendo como foco uma das doenças que entram na lista das negligenciadas, filmado nos países recordistas da mesma, onde os casos têm aumentado, nos últimos anos, sendo: Índia  (60%), Brasil (13%) e Indonésia (8%), segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

A hanseníase, mesmo tratada e tendo cura permanece ainda como um desafio para os diagnosticados, governos e inúmeras entidades não-governamentais que trabalham, nestes países, na luta pela erradicação da doença. 

 

Por trás de histórias ligadas à enfermidade se escondem casos traumáticos, crimes cometidos por Estados, todo tipo de violação humana, abuso sexual, trabalho escravo, trabalho infantil,  tráfico de pessoas, deformidades físicas, transtornos mentais, segregação familiar, social, cultural, deixando para sempre vidas marcadas pela dor. 

 

Rostos, corpos e psicológico marcados por cicatrizes, exemplos de resiliência, homens e  mulheres de diferentes culturas, principalmente as mulheres, que acabam sendo as mais afetadas nos países recordes da doença: Índia, Brasil e Indonésia. Um alerta à humanidade.

Realidades duras não somente para quem contraiu a doença, que causa lesões de pele e danos aos nervos deixando deformidades no corpo, mas também para as famílias. 

 

A separação compulsória de famílias inteiras no passado e casos de segregação que ainda ocorrem na atualidade.  A batalha dos filhos separados pela hanseníase. Suas vozes, cantos, vivências e lutas, revelações, sentimentos e perspectivas. Um filme denúncia, de alteridade e afetividade genuína.

 

Um documentário que investiga das origens aos dias atuais histórias da luta contra a hanseníase. Acima de tudo, histórias de superação, tolerância, afetividade, cultura e compaixão. 

 

Um filme poético sobre a reinvenção da vida, que abarca sofrimentos, afetos, sobrevivências cotidianas com respeito e empatia. Como que a disputa entre crianças por um rato, único alimento do dia dão sentido e continuidade à vida, em uma das mais de 800 (oitocentas) Colônias de hansenianos, que ainda existem na Índia. 

 

Como que música, a arte, cultura, esporte e colaborativismo ajudou e ajuda a enfrentar os dramas vividos pelos “lazarentos”, à margem da sociedade. 

NA PELE trabalha com o impacto além da tela, como eixo, colaborando na erradicação da hanseníase no planeta.